síndrome de tourette

Você já ouviu falar da Síndrome de Tourette?

Você já ouviu falar da Síndrome de Tourette?

Talvez você já tenha ouvido falar sobre a Síndrome de Tourette ou pode ser que, assim como boa parte das pessoas, desconheça esse distúrbio neurológico que, normalmente, dá os primeiros sinais na infância.

Caracterizada por manifestar tiques motores e fônicos, a síndrome pode acarretar outros problemas como dificuldade de aprendizagem, gagueira, tremor, ansiedade, baixa autoestima, comportamento compulsivo, impulsividade, entre outros.

Ao contrário do que se possa imaginar, uma pessoa com Síndrome de Tourette não tem tiques o tempo inteiro. Uma criança, por exemplo, pode ficar quieta em um evento e, só mais tarde, manifestar tiques sonoros, por vezes ainda mais intensos que de costume. 

O que é síndrome de Tourette?

Trata-se de um distúrbio neuropsiquiátrico que tem como principal característica a ocorrência de múltiplos tiques vocais e motores, que persistem por um tempo prolongado.

Os trejeitos consistem em movimentação ou vocalização involuntária, súbita e repetitiva, que envolve um grupo de músculos. Em boa parte dos casos, são variados e mudam com o passar do tempo. A frequência e intensidade não seguem um padrão e podem se agravar com o estresse, ansiedade e outros problemas emocionais, como o Transtorno Obsessivo Compulsivo e o Distúrbio de Atenção e Hiperatividade.

Quais são os sintomas?

A manifestação típica da Síndrome de Tourette é a ocorrência de cacoetes, como franzir a testa, piscar, contrair a musculatura da face, balançar a cabeça e mexer os músculos abdominais desordenadamente. Esses tiques básicos aparecem em 80% dos casos, entretanto pode haver movimentos de maior complexidade, que chegam a parecer propositais, como por exemplo, bater e tocar em objetos, cheirar coisas ao redor, acender e apagar as luzes repetidamente, etc.

Apesar de menos incidentes – abaixo de 50% dos casos -, ruídos não articulados, como fungar, coçar a garganta, pigarrear e tossir também são sintomas dessa síndrome. Ocorrem, ainda, repetição de sons, frases ou palavras (ecolalia), formulação de insultos, uso involuntário de gestos obscenos (copropraxia) e palavras obscenas (coprolalia).

Como tratar a condição?

O primeiro passo para tratar a síndrome de Tourette consiste em confirmar se o indivíduo apresenta, realmente, o problema. O diagnóstico é clínico e se baseia na análise dos sintomas, com avaliação de aspectos como a duração e frequência dos tiques.

A síndrome de Tourette não tem cura, no entanto pode ser controlada. Uso de medicação antipsicótica, aplicações de toxina botulínica, cirurgia de estimulação cerebral profunda e terapia cognitiva comportamental podem apresentar bons resultados, dependendo do quadro.

A automedicação é completamente contraindicada. Somente o médico pode orientar o indivíduo em relação ao tipo de medicamento, dosagem e duração do tratamento farmacológico.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como neurologista em Brasília.

Posted by Dr. Heitor Felipe Lima in Todos