neuromielite óptica

Neuromielite óptica: sintomas e causas

Neuromielite óptica (NMO), também conhecida como doença de Devic, é uma doença inflamatória autoimune do sistema nervoso central, que ataca os nervos ópticos e a medula espinal. Sua principal característica é a dificuldade de andar, redução da visão e alterações no controle dos esfíncteres.

Segundo o Portal Brasileiro da Neurocirurgia, a neuromielite óptica pode acometer pessoas de qualquer idade, apesar de ser mais frequente em adultos de meia idade. Em geral, a doença afeta mais as mulheres, em uma proporção de 8 para 1.

Por ser uma doença autoimune, o corpo ataca suas próprias células. No caso da NMO, o organismo produz o anticorpo aquaporina 4, que ataca as proteínas que transportam água no sistema nervoso. Esse processo gera inflamação e destruição de células e fibras nervosas da medula espinhal e do nervo óptico.

Sinais e Sintomas da Neuromielite óptica

Os sintomas variam de pessoa para pessoa. Geralmente, eles prejudicam a visão, gerando escurecimento, vista embaçada, diminuição, manchas ou perda da visão em um dos lados. Pode, ainda, ocorrer inflamação no nervo óptico, situação em que a movimentação dos olhos pode causar dor ocular.

Outros sinais que também podem indicar o surgimento da doença são dormência, formigamento ou sensação de queimação em algum lugar do corpo, fraqueza nos membros e dificuldade de andar. Alterações no controle do esfíncter da urina e do intestino também podem estar associadas.

Alguns sinais podem indicar a neuromielite óptica, se associados a outros. Entre eles, destacam-se:

  • dor forte na nuca ou nas costas;
  • náusea e vômito;
  • soluços recorrentes;
  • vertigem e tontura;
  • atenuação da audição;
  • visão dupla, ou diplopia;
  • alterações importantes do sono;
  • baixa pressão arterial, ocasionando desmaios;
  • febre ou hipotermia.

Os sintomas podem ser súbitos e atenuar parcial ou completamente durante algum tempo. A incidência recorrente desses sinais pode caracterizar a doença.

Diagnóstico

Para diagnosticar a doença, os médicos devem avaliar o sistema nervoso por meio de um exame físico. Nesse caso, é utilizado um oftalmoscópio para avaliar o nervo óptico.

Eletroencefalografia e estímulos visuais também são utilizados para avaliar a resposta do cérebro e como as estruturas dos olhos estão reagindo.

Exames de imagem, como a ressonância magnética (RM), são utilizados para descartar a esclerose múltipla e confirmar o diagnóstico da NMO. 

É realizado, também, exame de sangue, para identificar os anticorpos específicos à aquaporina 4.

Tratamento 

A neuromielite não tem cura, porém, a doença pode ser tratada com o uso de medicamentos, como corticoides, imunossupressores ou anti-inflamatórios.

Em estágios mais avançados e com eventos de crises frequentes, é realizada a plasmaférese, um procedimento para filtrar o sangue em que as substâncias que causam dano ao organismo incidentes no plasma são retiradas.

O indivíduo acometido pela NMO deve ser acompanhado por uma equipe multiprofissional, formada por neurologista, fisioterapeuta, fonoaudiólogo e psicólogo, que auxiliam no alívio dos sintomas e controle da intensidade.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como neurologista em Brasília.

Comentários

Posted by Dr. Heitor Felipe Lima