esquecimento

Esquecimento: quando devo me preocupar?

Esquecer onde guardou as chaves de casa, a data do aniversário do melhor amigo, de realizar o pagamento de contas, ou comprar o que pediram… Você se identifica com alguma dessas situações? Bem provável que sim, já que todos nós somos um pouquinho esquecidos. O problema, porém, é quando o esquecimento compromete a rotina do indivíduo, colocando-o em situações sérias, como demissão, ou até mesmo o divórcio, já que nem todo mundo suporta os frequentes “eu esqueci!”.

Esquecer, todo mundo esquece

E não é somente os idosos que cometem deslizes de memória. Os jovens também, principalmente porque estão cada vez mais expostos a fatores que prejudicam essa parte tão importante da cognição. Na atualidade, é comum os lapsos de memória, já que tem sido comum situações, como:

  • estresse;
  • uso abusivo de medicamentos para se manter acordado;
  • abuso de bebidas alcoólicas;
  • ansiedade;
  • depressão.

Essas situações dificultam a retenção de informações e levam a perdas temporárias de memória. Quando se está ansioso e insatisfeito no ambiente de trabalho, por exemplo, não se presta atenção no que está sendo dito pelos colegas e supervisores. Deixa-se passar informações importantes sobre uma reunião futura, uma ligação urgente ou sobre uma revisão necessária. “Nossa, desculpa, não me lembro de você ter me pedido isso”, costumam dizer os esquecidinhos.

Sinal vermelho

Deve-se ligar o sinal vermelho, como mencionei acima, quando a pessoa apresenta sinais progressivos de esquecimento. Esquece um dia, mais um, mais outro… É o caso do chefe de cozinha que erra os temperos todos os dias, do sujeito que gasta horas para lembrar onde estacionou o carro quase todo dia, do funcionário que não compareceu em 10 das 12 reuniões externas agendadas no mês, porque “deu um branco”.

Percebe que essas situações geram prejuízos econômicos e emocionais? São sintomas que indicam demência, sendo a mais comum a doença de Alzheimer, e a demência vascular. Ambas prevalecem no público mais maduro e estão associadas, também, às alterações de julgamento, capacidade de executar atos da vida diária e às mudanças na linguagem.  

Outras causas importantes que levam ao declínio cognitivo relacionado à memória são:

  • deficiência de vitaminas, como B12 e D;
  • hipotireoidismo (disfunção na glândula tireoide, que deixa o metabolismo lento);
  • sono irregular;
  • uso irrestrito de aparelhos/dispositivos eletrônicos.

Malhe o cérebro para evitar o esquecimento

O cérebro também sofre com os efeitos inevitáveis do envelhecimento. Isto é, à medida que os anos avançam, nosso organismo declina em performance. Mas, calma! É possível atenuar esses efeitos e fazer com que eles se instalem de modo menos agressivo e mais tardiamente.

O segredo é:

  • alimentar-se corretamente;
  • praticar atividade física (mesclando exercícios aeróbicos e de resistência);
  • dormir o mínimo de horas recomendado;
  • aprender algo novo todos os dias (que seja uma palavra em inglês ) de modo a manter o cérebro sempre ativo e saudável.

Tais atividades são fundamentais para que você não faça do esquecimento algo rotineiro. Não vá esquecer, hein?

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como neurologista em Brasília.

Comentários

Posted by Dr. Heitor Felipe Lima